Jollye

Jollye

21/03/2008 11/10/2017

“As 23:41 do dia 11 de outubro de 2017 vai ficar pra sempre em minha memória. Assim que entramos no portão de casa recebemos uma ligação. A ligação que dizia que você, infelizmente, tinha nos deixado. Depois de quase nove anos e muitas batalhas você decidiu descansar. Eu sei que você já tinha sofrido demais com seu problema de coluna e que você estava sofrendo por causa da diabetes, e eu imagino que a vida de cega não seja lá a melhor coisa do mundo e se adaptar a tudo deve ter sido muito difícil. Também sei que você agora está num lugar melhor mas infelizmente deixou uma saudade que eu não consigo aguentar dentro do peito. Parece egoísmo da nossa parte querer que você continuasse aqui mesmo com toda a dor que você estava sentindo, mas fazer o que se todos nós temos um amor imenso por você. Você foi o primeiro cachorro que eu tive e vai estar pra sempre guardado na lembrança de todos, parentes, amigos e conhecidos. Já era rotina encontrar qualquer pessoa e ela, logo de cara, já soltar um “como que está a Jollye?”. Tantas lembranças boas que eu tenho de você, como você roncava tão alto que me atrapalhava a dormir às vezes, o meu bercinho de boneca que você insistia em ficar deitada nele, seus gritos de euforia cada vez que você ia pro banho ou quando a gente falava “quer passear?”, ou o quão inocente você era que quando foi cheirar o cachorro e levou uma mordida bem na boca. Obrigada por me ensinar o verdadeiro significado da palavra “amor”, eu não achei que fosse possível amar um cachorrinho do jeito que eu amo você. Obrigada por todas as lembranças boas que você nos deixou, mas, infelizmente, é só isso que me resta de você agora… lembranças e uma saudade inexplicável.

Amamos você.
Brunna Caroline”